silêncio
ouço o delírio
os elefantes tocam blues
calo as horas
lincho os dias
lancho as notas
ela canta como lágrimas
sinto-me vivo
chamem seus amores
por favor
é uma emergência
os elefantes tocam blues
é preciso ouvir
Linch dirige seu carro
o vento contra o rosto de meus delírios
ela canta e é sua carícia lenta na imagem impossível
estou aqui a ouvir-me
leia-me ao sabor do impossível sabor
descrevo minha loucura com a língua na sua
por favor é uma emergência
isso aqui é um grito
pois os elefantes tocam blues
ela canta como quem embala a morte delicadamente em suas mãos
e se ninguém vier
dançarei sozinho
(melhor se ler ouvindo Margo Timmins, do Cowboy Junkies)


Nenhum comentário: